2007/02/01

Medicamentos

O nosso Sócrates anda muito entusiasmado com o bem que faz às pessoas. Este arauto das reformas sociais, apesar de homónimo de muito conceituado filósofo da antiguidade, desaba em jorros de “intelijumência radical”, e surpreende os portugueses (e as portuguesas, como, tão hipocritamente os meninos do seu partido se referem às mulheres) com ovos de Colombo inimagináveis.
Lembrou-se o dito que os medicamentos deviam baixar de preço, esquecendo-se que a sobrevivência da indústria farmacêutica está em causa, os farmacêuticos não ganham para as lâminas de barba e as farmacêuticas deixaram de comer sopa, porque as suas carteiras não chegam aos legumes.
Vai daí, e corta 6% no preço dos medicamentos. É um “tipo porreiro”, este José!
Mal os portugueses (e as portuguesas) iniciavam o seu júbilo, o Zezinho não foi de modas. Toca a baixar as comparticipações nos medicamentos em 5%.
E diz o meu vizinho de frente: “Este Sócrates é um visionário …”
Deixo os comentários que me bailam na massa cinzenta à vossa imaginação, dada a conjuntura de palavras e frases não recomendáveis a quem quer continuar a manter a cabeça levantada.
Bem dizia o meu piriquito: “Olha que a matemática não é uma ciência exacta … não confundas”.
O meu piriquito é que tinha razão.

2 comentários:

maria disse...

A minha imaginação recomenda um calmante..e umas pinceladas para colorir a "massa"!-:))

zita disse...

Só o "rebussado" me consegue fazer rir de gosto lolo.

Tenho uma "pena" da indústria famaceitica, que se eu chorar é pela testa acima :)))

Jinhus da Zulu